FRANCISCO LEIRO. O antropomórfico